O patrimônio cultural e o movimento modernista: a coisa literária como fonte da norma jurídica

Código: 978-85-9530-328-7 Marca:
3x de R$ 23,33
R$ 70,00
Comprar Disponibilidade: Imediata Estoque: 147 unidades
    • 1x de R$ 70,00 sem juros
    • 2x de R$ 35,00 sem juros
    • 3x de R$ 23,33 sem juros
  • R$ 70,00 Boleto Bancário
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

O anteprojeto de decreto-lei de Mario de Andrade faz-se realização, utópica, de temporalidade suspensa e reencontrada na Constituição de 1988. Os meninos e as meninas a aprender as canções do folclore brasileiro, na tradução do modernista Mário de Andrade, absorveram o patrimônio da cultura que não se transfere pelo ato artificial do consumo, mas que, pela compreensão desse Patrimônio Cultural e Movimento Modernista: a coisa literária como fonte da norma jurídica, poderia ser pensado como um fazer que se irrompe para sustentar, amarrar, unir, definir identidades, ações, memórias e vivências de indivíduos e grupos sociais, como se explicita nas conclusões do trabalho da autora.

A obra demonstra a intervenção do espírito Modernista que lançou, adiante de seu tempo, a ideia da função social do patrimônio cultural e que, ao fazê-lo, transitou por dimensões que ainda não se esgotaram no processo de explorar e de vivenciara multiplicidade de seus significados e possibilidades cognitivas

Autora: Liana Portilho

3x de R$ 23,33
R$ 70,00
Comprar Disponibilidade: Imediata Estoque: 147 unidades
Pague com
  • Pagar.me V2
Selos
  • Site Seguro

LETRAMENTO EDITORA E LIVRARIA LTDA - CNPJ: 19.916.663/0001-89 © Todos os direitos reservados. 2021